Calar o crítico interior

“Estou a falhar”, “Não devia ter dito isto”, “Não faço nada de jeito” … são alguns exemplos de diálogos internos, de julgamentos que fazemos a nós próprios. Pensamentos como estes ficam, muitas vezes, a circular na nossa mente, como se não fosse possível pensar em qualquer outra coisa.E, normalmente, o resultado é sentirmo-nos mal connosco, é gostarmos menos de nós, é afetarmos de modo negativo a nossa autoestima.

Sem dúvida que analisar as nossas decisões, comportamentos e atitudes é importante e determinante para o crescimento pessoal. Contudo, o que nos faz evoluir é uma perspetiva de análise positiva, compreendendo a opção que tomamos em determinada altura e identificando o que, em situações futuras, podemos melhorar.

Um exercício excelente de autoconhecimento é estar atento aos julgamentos que faz a si mesmo. Registe-os. Analise-os. Para que lhe servem, afinal?

Imagem

 

 

 

Publicado por M. Conceição Viterbo

Natural da cidade do Porto. Profissionalmente, sou Psicóloga Clínica, Instrutora de Mindfulness, Hipnoterapeuta Clínica, Formadora e Consultora.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: