Novo ano, novos projetos!

 

Embora qualquer momento seja “o momento” para um (re)início, um novo ano é sempre uma altura excelente para começar novos projetos.

Conheça as oportunidades para si no 1º trimestre de 2014:

Curso de prevenção e tratamento da depressão baseado na técnica de mindfulness:

http://conceicaoviterbo.webnode.pt/novidades2/

http://centrobudistadoporto.org/?th_events=mindfulness-e-depressao

Workshop Autoconhecimento: a chave da mudança:

http://conceicaoviterbo.webnode.pt/novidades2/workshop-autoconhecimento%3a-a-chave-da-mudan%c3%a7a/

https://www.facebook.com/AnaLourencoAltaPerformance

Workshop Organização pessoal = menos stresse!

http://conceicaoviterbo.webnode.pt/novidades2/workshop-organiza%c3%a7%c3%a3o-pessoal-e-gest%c3%a3o-do-stresse/

– PEES – Projeto de Educação de Emoções e Sentimentos:

http://conceicaoviterbo.webnode.pt/novidades2/pees-projeto-de-educa%c3%a7%c3%a3o-de-emo%c3%a7%c3%b5es-e-sentimentos/

http://projeto-de-educacao-emocional.webnode.pt

E bom ano de 2014!

Crianças: como desenvolver a calma?

Cada vez mais encontro, nas diferentes atividades em que me envolvo, crianças e adolescentes com o pretenso rótulo de “hiperativas”. Na maior parte dos casos, não o são de facto.

Muitos dos comportamentos agitados das crianças ficam a dever-se, entre outros aspetos,  à ausência ou confusão de regras / normas na relação com os outros e à ansiedade transmitida pelos pais / educadores  no dia a dia.

Há algumas técnicas que podem ajudar na educação dos mais jovens e que permitem o desenvolvimento da tranquilidade e, consequentemente, promovem o autocontrolo emocional.

Esta é uma das técnicas que se pode usar:

http://dalailamacenter.org/blog-post/turtle-time-help-children-stay-calm

Screen Shot 2013-12-03 at 10.05.37 AM

A incompreensão dos estados depressivos

A depressão não é, por vezes, compreendida e aceite por aqueles que nunca tiveram a experiência de passar por uma situação dessa natureza.

Várias vezes – ao longo da minha prática clinica de há 20 anos -, tenho ouvido pessoas que sofrem ou sofreram de depressão dizerem que se sentem incompreendidas. Sentem que os outros – nomeadamente a família mais chegada – os acham preguiçosos, pouco motivados, comodistas, fracos. Referem a tendência dos amigos, conhecidos e parentes de, na tentativa de ajudarem, dizerem frases como “tens de reagir”, “há que ser forte”, “tens que sair e procurar estar com pessoas”…

Ora, do ponto de vista de uma pessoa deprimida, ouvir estas frases (ditas com a melhor das intenções!) é extremamente doloroso e apenas acrescenta mais peso aos sentimentos de incapacidade, inutilidade e incompetência que a pessoa deprimida sente. O facto é que, quando alguém está a passar por uma situação de depressão (não uma situação de tristeza), a pessoa tenta fazer tudo quanto está ao seu alcance para continuar com o seu quotidiano; contudo e por muito esforço que faça, o que sente, no mais profundo e íntimo do seu ser, é uma incapacidade para reagir, para enfrentar situações tão simples como ter que conduzir o carro ou dizer bom dia ao vizinho.

É por isso que uma intervenção psicoterapêutica é importante – e não apenas a intervenção médica, que apenas alivia ou mascara os sintomas … quando a medicação deixar de ser ingerida, os sintomas regressam.

Se tiver um amigo que esteja a passar por um estado depressivo, evite incentivá-lo a “fazer coisas”. Opte por estar com ele, por falar com ele, por reforçar todos aspetos, capacidades, competências e habilidades positivos do seu amigo.

Calar o crítico interior

“Estou a falhar”, “Não devia ter dito isto”, “Não faço nada de jeito” … são alguns exemplos de diálogos internos, de julgamentos que fazemos a nós próprios. Pensamentos como estes ficam, muitas vezes, a circular na nossa mente, como se não fosse possível pensar em qualquer outra coisa.E, normalmente, o resultado é sentirmo-nos mal connosco, é gostarmos menos de nós, é afetarmos de modo negativo a nossa autoestima.

Sem dúvida que analisar as nossas decisões, comportamentos e atitudes é importante e determinante para o crescimento pessoal. Contudo, o que nos faz evoluir é uma perspetiva de análise positiva, compreendendo a opção que tomamos em determinada altura e identificando o que, em situações futuras, podemos melhorar.

Um exercício excelente de autoconhecimento é estar atento aos julgamentos que faz a si mesmo. Registe-os. Analise-os. Para que lhe servem, afinal?

Imagem

 

 

 

Esgotei todas as alternativas?

Esta é uma pergunta que surge muitas vezes nas relações de casal, após uma rotura.

Como sabemos se esgotamos todas as hipóteses?

Numa primeira análise, parece-me ser claro que esta é uma questão que pode nunca encontrar uma resposta, pelo que a pergunta constitui-se como um excelente argumento para ir adiando uma decisão. Por outro lado e subjacente à questão em causa, está implícita a necessidade de securização relativamente a uma eventual culpa.

Será que é, de facto, aquela a pergunta a fazer? Ou seria mais efetivo perguntar-se: é isto que quero para mim?

gs

 

Procrastinar … já lhe aconteceu?!

Penso que, a maioria das pessoas, já passou por esta experiência: ir adiando tarefas, projetos, atividades, …. sejam pessoais ou profissionais.

Um dos aspetos interessantes é compreender quais são os motivos que estão subjacentes à procrastinação, como:

– o perfeccionismo (“vou começar apenas quando dominar completamente o assunto”, “estou à procura da melhor forma para …”),

– a hostilidade (por exemplo, quando não gosta da atividade ou da pessoa que a solicitou),

– a complexidade (sentir que a tarefa é demasiado difícil ou longa, por exemplo),

– o excesso de confiança (quando se está convicto de que tem ainda muito tempo para executar a tarefa).

Um outro aspeto ainda mais interessante é mudar o hábito de procrastinar! Como? Veja e pratique:

– clarifique / defina os seus objetivos – procurando a motivação que o conduza a evitar procrastinar (pode até imaginar-se a dar-se um reforço a si mesmo aquando do alcance desse objetivo),

– planifique o seu tempo – fazendo a gestão diária de tudo o que tem para fazer,

– mantenha o foco – evite as distrações (concentrando-se, por exemplo, durante 25 minutos na tarefa que definiu – como indica a Técnica Pomodoro).

E, já agora, sabia que uma consulta psicológica o pode ajudar a deixar a procrastinação? Invista em si!

 

 

 

 

A necessidade de aceitação …

Há, por vezes, alguma tendência para depender das opiniões das outras pessoas.  A necessidade de aceitação e de confirmação, conduz algumas vezes à partilha total da vida com um número significativo de amigos mais ou menos próximos.

O resultado traduz-se na súmula das opiniões, dos conselhos e alvitres por parte de todos os ouvidos e, consequentemente, na confusão generalizada da pessoa que busca confirmação …

A propósito … juntaram-se, um dia, um conjunto de sapos com o objetivo de atingir o alto de uma determinada torre. Havia muita gente a ver o acontecimento e a vibrar com eles. A competição começou e da enorme multidão começaram a ouvir-se os comentários: “que pena … os sapinhos não vão conseguir… não vão ser capazes … que pena …”. E, de facto, um a um os sapinhos começaram a desistir. Exceto um, que sozinho continuou no seu percurso; ia cansado mas prosseguiu e alcançou o alto da torre. Todos estavam admirados e queriam saber como tinha conseguido. Decidiram ir ter com o sapinho e perguntar-lhe como tinha feito para  concluir a prova. Descobriram que ele era surdo.

Moral da história? Vale a pena sabermos aquilo que queremos e o que somos capazes de fazer, independentemente do que os outros possam pensar ou opinar. Conhecer os nossos recursos internos e ter definidos objetivos pessoais ajuda a sentirmo-nos bem connosco – e, logo, com os outros!

 Imagem

Ver tudo a cor cinza …

Um dos exercícios que uso comummente em consulta é o registo de situações agradáveis. Curioso é verificar que, na maior parte dos casos, existe dificuldade em identificar esse tipo de situações no quotidiano. A tendência é para valorizar o negativo e os acontecimentos negativos. Tal como quando se educa uma criança se tende a valorizar os comportamentos menos adequados …

Sugiro que experimente: faça o registo diário de situações agradáveis.

3 (13)É um bom exercício! A fazer todos os dias!

Tristeza ou depressão?

Existe alguma confusão entre estes dois fenómenos … Vejamos!

Estar triste é um estado provocado por causas externas e em que, normalmente, a pessoa não se isola – até pelo contrario, muitas vezes pede ajuda. Este estado traduz-se em tristeza, choro,  desalento, angústia, saudade, mágoa, entre outros sentimentos.  Exemplos de acontecimentos que podem suscitar tristeza são o fim de uma relação, a morte de alguém querido, a perda de um emprego.

A depressão não necessita de um acontecimento externo para surgir. Traduz-se em dificuldades como sentir-se cansado sem motivo aparente, não conseguir concentrar-se, ter dificuldade em tomar decisões e em entender o que sente, sentir-se apático e sem interesse por coisa alguma, optando, normalmente, por se distanciar dos outros. Associam-se sentimentos de vazio, de auto-desvalorização, de fracasso, ausência de vontade de levar a cabo situações que anteriormente eram vividas como prazenteiras, irritabilidade. Igualmente podem existir alterações no sono (dormir pouco ou em demasia), no apetite (comer demais ou muito pouco). Muitas vezes, pessoas ansiosas e vidas super-ocupadas mascaram situações de depressão.

A psicologia clínica pode ajudar.

Contacte psicologia.www@gmail.com

 

A autoestima

A autoestima é o que sentimos por nós próprios, baseados no modo como nos vemos.

Este sentimento por nós mesmos nasce no que pensamos a nosso respeito (“Gosto da minha atuação”), passa pela perceção que temos de nós (“Eu sou uma pessoa de valor”), exprime-se pela maneira como nos comportamos (“Ago como uma pessoa com mérito”) e apresenta um determinado resultado na relação com os outros e connosco próprios (“Sou respeitado pelos outros e sinto-me bem”).

Se pensarmos, por exemplo, numa pessoa que é vítima de maus tratos, a pessoa não gosta da sua atitude, vê-se como fraca e impotente, desrespeita-se, anulando-se, e como resultado o outro também não a respeita.

Desenvolver a autoestima passa por:

•Mudar o diálogo interno – ou seja, tomar consciência do diálogo interno, do crítico interior que temos, e mudar os padrões habituais de pensamento;

•Desenvolver a inteligência emocional – conhecendo-nos, autorregulando as emoções e promovendo a auto-motivação.
%d bloggers like this: